Menu

Aqui você encontra informações e dicas
para fazer as melhores escolhas para você e o seu bebê

Plano de Parto

Plano de Parto

O que é plano de parto?

Descrição do artigo

Como o próprio nome sugere, o plano de parto nada mais é do que a elaboração de tudo o que a gestante deseja ou não durante a concepção de seu bebê. Pode ser feito em forma de carta ou lista, relacionando os procedimentos que aceita ou prefere evitar ao longo do parto.

Por que devo fazer?

Mais do que uma organização, a realização do plano de parto é um momento importante para a mamãe conhecer os benefícios e prejuízos nos procedimentos do parto e ter maior compreensão de seus direitos de escolha. O documento detalhará à equipe médica instruções sobre o trabalho de parto, o parto em si (hora do nascimento), o pós-parto, os cuidados com o bebê e caso a cirurgia cesariana seja necessária.

Com essas informações em mãos, a mulher estará mais preparada e confiante para conversar com seu médico e apontar suas decisões, podendo evitar, por exemplo, que o profissional faça intervenções artificiais ou desnecessárias durante o parto.

Como devo escrever o meu plano de parto?

O seu plano de parto deve conter escolhas dentro de todos os processos do parto:

  • Durante o trabalho de parto
  • Durante o parto em si (hora do nascimento)
  • O pós-parto
  • Em caso de cesárea
  • Cuidados com o seu bebê

Durante o trabalho de parto, os principais pontos a serem estudados e descritos no documento se referem à:

  • Presença de um acompanhante de sua preferência, conforme a Lei 11.108/2005
  • Uso contínuo ou não de Soro e Ocitocina Sintética
  • Liberdade para beber água e sucos enquanto seja tolerado
  • Liberdade para caminhar e mudar de posição
  • Monitoramento fetal: apenas se for essencial, e não contínuo
  • Raspagem ou não dos pelos pubianos
  • Analgesia somente quando você pedir
  • Se deseja ser chamada pelo seu nome
  • Se prefere que nos momentos de contração permaneça o silêncio
  • Detalhe o desejo ou não de usar roupas e acessórios próprios
  • Escolha sobre fazer o mínimo possível de exames de toque – e sempre por um mesmo profissional
  • Desejo ou não de lavagem intestinal

As escolhas sobre o momento do parto em si, ou seja, a hora do nascimento do bebê, devem ser refletidas, basicamente, sobre as seguintes opções:

  • Liberdade para escolher a posição que se sentir melhor
  • Escolha da episiotomia (corte na vagina) – somente se necessário com justificativa
  • Manobra de Kristeller (profissional de saúde faz pressão no fundo do útero para empurrar o bebê para fora)
  • Ruptura artificial de bolsa, por rotina
  • Amarração dos braços e pernas durante o parto
  • Bebê imediatamente colocado no colo para o contato pele a pele ou não
  • Aguardar a evolução natural do parto ou não
  • Realizar ou não a antissepsia dos genitais
  • Pedir por um ambiente calmo

Sobre o pós-parto, as principais medidas estão relacionadas a:

  • Aguardar expulsão espontânea da placenta com auxílio da amamentação ou não
  • Se o bebê deve ficar com você o tempo todo, mesmo para avaliação e exames, ou não
  • A escolha por ter alta o quanto antes ou não
  • Pedir para que você mesma ou o pai vista o bebê
  • Aspirar ou não o bebê
  • Permitir ou não banho no bebê

Mesmo optando pelo parto normal, às vezes a grávida se vê em uma situação de risco em que é preciso readequar seu trabalho de parto para uma cirurgia cesariana. Para que ainda assim seus desejos sejam atendidos, é importante deixar as seguintes sugestões ao médico:

  • Como se dará a presença do acompanhante no caso da cirurgia
  • Se você deseja ou não a anestesia: peridural, sem sedação
  • Se quiser ver a hora do nascimento, com o rebaixamento do protetor ou por um espelho
  • Após o nascimento, se devem colocar o bebê sobre o seu peito e que as mãos estejam livres para segurá-lo
  • Você também opta pelo momento da amamentação, se quer que aconteça o quanto antes ou após recuperação

Por fim, deixe detalhado no plano de parto os cuidados que você deseja que sejam dados ao seu bebê. Por exemplo:

  • Se quer amamentar na primeira hora de vida
  • Se permite o oferecimento de água glicosada ou leite artificial
  • Alojamento conjunto o tempo todo ou não
  • Permissão do colírio de nitrato de prata quando os exames de Streptococo, Clamídia e Gonorréia forem negativos

Como sugerido pela Defensoria Pública do Estado de São Paulo, você ainda deve deixar uma conclusão semelhante a que colocamos abaixo junto da sua assinatura e a do médico:

“Esse é meu Plano de Parto, que protocolo neste momento para que minha vontade e autonomia sejam atendidas. Solicito que procedimentos em desacordo com o aqui expressamente descrito, sejam devidamente justificados no meu prontuário médico”.

Sugestão de modelo de plano de parto da Defensoria Pública do Estado de São Paulo:

http://artemis.org.br/wp-content/uploads/2014/07/Modelo-de-plano-de-Parto-Artemis-Defensoria.pdf

Dicas:

  • Lembre-se de ser assertiva durante suas colocações. Não use palavras como “gostaria” ou “talvez”, escreva “eu quero”, “eu escolho”. Assim, a equipe médica não ficará em dúvida em relação às suas preferências
  • Faça com que seu documento tenha, no máximo, duas páginas e atente-se em ser objetiva
  • Estude cada opção do plano de parto de acordo com as suas necessidades
  • Converse com mulheres que já passaram por esse processo e veja quais pontos foram mais importantes para elas e o motivo. Isso pode ter dar um novo direcionamento!
  • Revise seu plano de parto com a equipe médica antes de entrar em trabalho de parto
  • Seja flexível caso alguma colocação no seu plano de parto precise ser alterada, seja na revisão com a equipe médica, seja durante o próprio trabalho de parto
  • Não adie a elaboração do seu plano de parto. Quanto antes começar a fazê-lo, mais tempo terá de estudar, refletir e conversar com o seu médico sobre as diversas opções
  • Envolva sua família ou seu parceiro nas escolhas de seu plano de parto. Dessa forma, além de você receber outras sugestões, todos saberão do que ficou definido

Seguindo essas etapas você evitará imprevistos difíceis de serem solucionados, conhecerá a fundo cada momento de seu parto podendo fazer escolhas por você e por seu bebê e ainda se sentirá mais segura em relação à equipe que vai te acompanhar.

“O Plano de Parto é tão importante que é a primeira de uma série recomendações da OMS para melhorar, no mundo todo, o nível do atendimento dado a parturientes e recém-nascidos.”

Quando devo levar meu plano de parto ao médico?

O plano de parto é algo que deve ser construído ao longo de toda a gestação. Portanto, certifique-se de logo na primeira consulta já tirar dúvidas com seu médico sobre os procedimentos que podem ou não ser realizados. Ao longo dos meses, vá estudando e completando seu planejamento. Entregue uma cópia do documento final ao seu médico em uma data bem próxima à gestação.

Dica: Por mais que seu plano de parto pareça estar pronto antes dos nove meses, aguarde o parto estar bem próximo da data prevista para entregá-lo ao médico. Isso porque, se você entregar seu plano de parto no sexto mês, por exemplo, ele ainda pode sofrer mudanças.

Lembre-se!

Coloque seu plano de parto na bolsa e leve-o consigo para o hospital ou maternidade quando estiver para entrar em trabalho de parto. Assim, o médico seguirá suas orientações e você não terá que se estressar ou perder algum detalhe ao explicar tudo verbalmente.